Helder Barbalho é alvo de operação da PF e secretários são presos

29/09/2020 | 12:42 |

A Polícia Federal deflagrou a operação SOS que investiga supostos desvios em contratos para a gestão de hospitais do estado do Pará. O governador Helder Barbalho (MDB), é alvo de buscas e dois secretários e um assessor do governador foram presos.

Foram detidos Parsifal de Jesus Pontes, secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia e ex-secretário da Casa Civil; Antonio de Padua, Secretário de Transportes e Leonardo Maia Nascimento – assessor de gabinete.

O governador disse, em nota, que apoia qualquer investigação que busque proteger o dinheiro público.

A operação mira 12 contratos firmados entre o governo do estado e organizações sociais para administração de hospitais públicos do estado, inclusive hospitais de campanha criados para atender a demanda causada pelo novo coronavírus.

De acordo com o Ministério Público, os contratos, que somam R$ 1,2 bilhão, podem ser irregulares. São investigados os crimes de fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Também de acordo com o MPF, Helder possivelmente lideraria a organização no esquema e tratava previamente com empresários e com o então chefe da Casa Civil sobre assuntos relacionados a licitações.

Foram expedidos 74 mandados de prisão, 12 deles pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e 62 pelas Varas de Birigui e Penápolis, cidades do interior de São Paulo, e 278 de buscas.

Os mandados do STJ foram pedidos pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo e expedidos pelo ministro Francisco Falcão.

Além dos 3 detidos, são alvos de mandados de prisão:

  • Peter Cassol de Oliveira, ex-secretário-adjunto de gestão administrativa de Saúde,
  • Nicolas André Tsontakis Morais
  • Nicholas André Silva Freire
  • Cleudson Garcia Montali
  • Regis Soares Pauletti
  • Adriano Fraga Troian
  • Gilberto Torres Alves Junior
  • Raphael Valle Coca Moralis
  • Edson Araújo Rodrigues
  • Valdecir Lutz

Além de Pará e São Paulo, há mandados cumpridos em Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná. A Controladoria-Geral da União e o Ministério Público e a Polícia Civil de São Paulo participam da operação.

Redação